5 lições do inverno para manter a atividade física e a saúde

5 lições do inverno para manter a atividade física e a saúde

Dias menos luminosos, quedas bruscas de temperatura, ar mais seco. O inverno pode ser pouco atrativo para praticar atividades físicas, sobretudo ao ar livre. Mas, se por um lado as condições do clima tendem a deixar a saúde mais vulnerável a gripes, resfriados, asma, bronquite e sinusite, por outro, persistir na malhação tomando os cuidados necessários pode ajudar, e muito, a manter o organismo forte e resistente a essas doenças.

O clima frio pede uma série de cuidados, antes, durante e depois dos exercícios, que devem, de verdade, virar hábitos. A rotina vai envolver aquecimento antes de malhar, uso de roupas adequadas, alimentação, descanso. Veja agora as cinco grandes lições do inverno para correr, caminhar e realizar outras atividades aeróbicas e esportivas.

 

1. Você deve preparar o corpo para as mudanças bruscas de temperatura e o ar seco

A exposição prolongada ao frio intenso e o choque térmico causado pelas quedas bruscas de temperatura devem ser evitados diariamente. E isso inclui os hábitos dentro de casa, como optar pela água morna e não quente para os banhos, manter o quarto arejado e umedecido antes de uma boa noite de sono, além de beber bastante líquido. Tudo isso vai ser importante para estar preparado e disposto a se exercitar. Vale ressaltar a importância de tomar a vacina da gripe anualmente. E também não se descuide de manter o corpo bem agasalhado em qualquer situação, sobretudo fora de casa. É claro que o corpo aquece quando se está malhando, mas lembre que, depois do treino, terá que se deslocar até a casa. A regra de ouro é que o frio não deve incomodar, ou seja, se você estiver se sentindo desconfortável com a baixa temperatura, alguma providência precisa ser tomada.

 

2. Existe uma alimentação mais adequada para manter a saúde e o bem-estar no inverno

A maior exposição ao risco de doenças respiratórias é o alerta para preferir alimentos ricos em vitaminas e minerais que vão fortalecer a imunidade do organismo. Assim, não podem faltar no cardápio laranja, acerola, goiaba, banana, limão, caju, soja, brócolis, peixe, feijão, milho, beterraba, cenoura, abóbora, cereais e castanhas. Mas claro que só valem as frutas in natura, nada de sucos industrializados. Um cuidado a tomar é o controle da ingestão de chocolates e outros doces, já que muita gente confessa que a vontade de comer essas delícias aumenta no inverno. São calorias que, como sabemos, não vão nutrir o corpo da forma ideal, além de prejudicar a rotina de exercícios. Uma dica valiosa é consultar o nutricionista para que prepare um cardápio mais adequado para a estação, inclusive com receitas e porções de carboidratos e proteínas adequadas às suas necessidades diárias. Não vale copiar dietas alheias, pela óbvia despersonalização, e também evite pular refeições ou comer exageradamente, tudo isso atrapalha o desempenho durante as atividades físicas. Sem falar que, no inverno, a digestão tende a ser mais demorada.

 

3. A rotina de exercícios físicos deve começar com o aquecimento

Não se pode negar que o frio aumenta a vontade de ficar na cama e a preguiça de sair de casa para as atividades físicas. E o ar mais seco de fato pode dificultar a respiração e trazer muito desconforto na hora de malhar. É por tudo isso que se exercitar no inverno é tão desafiador, mas o certo é que persistir e se preparar bem para movimentar o corpo é a melhor medida de proteção à saúde, com ganho de disposição para realizar as outras tarefas cotidianas, no trabalho e em casa.

A primeira providência é não sair de casa sem o agasalho, além de roupas adequadas e confortáveis para a atividade física a que você se dedica. Para fazer a melhor escolha, considere o tipo de ambiente onde estará e as previsões das temperaturas para o período.

Alongar e aquecer antes dos exercícios é outro ponto que nem sempre é lembrado, mas que no inverno ganha ainda mais importância, inclusive em outros momentos do dia. Nas temperaturas mais baixas os vasos sanguíneos estão menos dilatados e a musculatura, retraída. O alongamento repetido sempre que possível também ajuda a estar mais preparado na hora de malhar. Mas o que parece fácil pode estar sendo executado da maneira incorreta, o que pode até causar lesões. Portanto, peça orientação ao seu treinador que, inclusive, pode preparar um programa de exercícios específico para melhorar o seu rendimento e os resultados da atividade física no inverno. E são mais comuns as cãibras no frio, seja por carência de potássio no organismo ou fatores diversos. Assim, o alongamento, que evita o problema, ganha mais relevância.

 

4. O sol não é o único perigo para a sua pele

Vale começar dizendo que o primeiro passo para uma pele saudável no inverno é a alimentação adequada, além do consumo de líquidos. Para além disso, são necessários cuidados não tão diferentes dos que se tomam no verão, já que o filtro solar e a proteção labial são importantes, mesmo em dias nublados. E para praticar exercícios ao ar livre, não esqueça de repor a proteção com a frequência recomendada. Um diferencial da estação é a maior tendência ao ressecamento da pele e dos cabelos, o que reforça a necessidade do uso de hidratantes, sobretudo para mãos, joelhos e cotovelos. A pele mais seca pode ser também influência dos banhos mais quentes, portanto cuide para equilibrar melhor a temperatura da água. O ideal é que os banhos sejam mais rápidos e sem excesso de sabonetes, buchas ou esponjas, que podem deixar a pele seca.

 

5. Você vai sentir menos sede, mas vai precisar de água!

É comum sentir pouca sede e mesmo esquecer de beber água na estação mais fria do ano, já que as temperaturas baixas reduzem a transpiração. Mas, ainda que não pareça, o seu corpo continua precisando de água para garantir o funcionamento dos órgãos, filtrar o sangue e liberar toxinas. Assim, vale a mesma regra do verão: beba líquido frequentemente, inclusive nos momentos de atividade física, quando a hidratação é essencial.

 

QUADRO

CUIDADOS CONTRA DOENÇAS RESPIRATÓRIAS

Além das gripes e resfriados, o inverno é estação propícia ao aparecimento de outras doenças respiratórias, e entre as mais complicadas está a asma, inflamação dos brônquios de origem alérgica provocada, normalmente, por ácaros, pelos, poeira, fumaça de cigarro, e pelo frio. Crises de bronquite crônica também podem ser mais frequentes nesta época do ano, e provocam falta de ar, tosse, pigarro crônico e chiado no peito.

Estar em dia com a vacina contra a gripe é importante para evitar problemas. Isso vale para também para os portadores de doenças crônicas como a asma e a bronquite, mas nesses casos é essencial prevenir as complicações por meio do uso das medicações indicadas pelo médico. Para essas pessoas, o cuidado deve ser redobrado com ambientes fechados e mal ventilados, por isso os exercícios ao ar livre são mais recomendados; o uso de agasalhos, a higiene da casa para evitar a poeira e outros agentes que desencadeiam crises.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *