Atividade física: projeto para viver mais e melhor

O percentual de obesos no país é uma evidência de que, além dos problemas com a alimentação, a atividade física ainda não caiu no gosto da maioria. O Ministério da saúde divulgou que uma em cada cinco pessoas no País está acima do peso. A prevalência da doença passou de 11,8%, em 2006, para 18,9%, em 2016. Mas é fato que milhares de pessoas já adotaram o hábito de se exercitar, basta ver o cotidiano das academias e parques, por exemplo.

Os benefícios da atividade física são muitos e é sempre relevante voltar a esse tema. Para começar, exercitar-se combate o estresse, e só por isso já valeria, e muito, a pena. E com menos estresse, a consequência é que se evitam as doenças relacionadas a ele. As repercussões do exercício físico no aumento da disposição para o trabalho são conhecidas e valorizadas pelas empresas, e é tendência cada vez maior que muitas delas incluam a academia em seus pacotes de benefícios flexíveis. Ânimo para o trabalho, e também para a vida pessoal, que fica ainda mais estimulante com a melhora da aparência física proporcionada pelos exercícios. O sono também ganha mais qualidade e os riscos de desenvolver depressão são menores.

Movimentar o corpo, seja em atividades aeróbicas, de musculação, natação, esportes em equipe, entre outras, evita as doenças cardiovasculares, previne diversos tipos de cânceres e o diabetes; também melhora a densidade óssea, o que vai extender os benefícios até a terceira idade. Quem se exercita melhora o sistema imune e ajuda a regularizar as taxas de colesterol.

Imagine então todos esses benefícios reunidos. A qualidade de vida pode realmente dar um salto. Mais tranquilidade, bom humor e autoestima vão ajudar a viver melhor e ainda mais. Nesse ritmo, chega-se à terceira idade com muito mais saúde. A perspectiva de viver mais requer planejamento para preparar a estrutura desse período, e um plano de previdência é parte importante. Muitas empresas têm oferecido planos de previdência em seus pacotes de benefícios flexíveis, uma oportunidade e tanto para preparar um futuro mais seguro e tranquilo.


O trânsito prejudica o seu trabalho mais do que você imagina

A ida ao trabalho é uma tarefa que constantemente envolve atrasos, contratempos e exposição a ruídos, em razão do trânsito e das dificuldades com o transporte público, uma rotina bem desgastante e que pode trazer mais problemas do que aquela angústia matinal pelo receio de chegar tarde ao trabalho.

Estudo publicado no portal do Environmental Health Perspectives encontrou evidências de que existe relação entre a exposição aos ruídos do trânsito e a cardiopatia isquêmica. Dados de 6.450 participantes foram analisados e as conclusões apontam também o ruído do tráfego associado com a maior pressão arterial em diabéticos, e efeitos mais graves dos ruídos em populações vulneráveis, como adultos com hipertensão. O portal também divulgou estudo que associa a exposição ao trânsito e os problemas na saúde mental, principalmente a depressão, além de estresse e insônia.

A situação pode prejudicar o desempenho no trabalho e, ao longo de meses e anos, trazer muitos prejuízos para a capacidade produtiva e a vida pessoal. O problema já foi percebido pelas empresas e a disseminação do modelo de home office tem, entre outros, esse benefício de poupar os profissionais do deslocamento. Mas quem tem expediente para cumprir fora de casa vai ter de enfrentar as dificuldades do trânsito. A boa notícia é que se pode descobrir, a depender do contexto de cada pessoa, formas de driblar o problema.

 

Veja as possibilidades e avalie o que é mais viável e agradável:

  • Uma alternativa que há algum tempo caiu no gosto de muitos em razão das diversas vantagens é o uso da bicicleta como meio de transporte para o trabalho. Mas não pense que basta pegar a bike e sair pedalando. Além do benefício ao meio ambiente e à saúde física e mental, pedalar pela cidade requer planejamento das rotas, escolha dos horários, treino das habilidades para conduzir a bicicleta, respeito à sinalização de trânsito. E não para por aí: tem a logística que envolve trocas de roupas e a higiene depois de pedalar e antes de começar a trabalhar, adequação de bagageiro para os materiais de trabalho. Parece complicado, mas se estiver com vontade de experimentar, não desanime. Muita gente já é veterana nessa modalidade e conta todos os detalhes em sites, blogs e redes sociais, além de aplicativos de smartphones. Basta pesquisar, e você corre o risco de ficar bastante empolgado.
  • Engajar-se na carona solidária. Taí uma alternativa que não vai livrar você da hora do rush, mas alivia bastante a tensão, já que você vai sair do volante alguns dias e pode ganhar bate-papos interessantes no percurso.
  • Poder contar com horários de trabalho mais flexíveis. Essa opção depende da gestão da empresa onde você trabalha e das políticas de RH. Assim como o home office, a flexibilização de horários é uma tendência adotada por muitas companhias e um enorme benefício para os profissionais e para a melhoria do desempenho das equipes. Se a sua empresa ainda não adotou a medida e você vê essa possibilidade, por que não sugerir? Certamente outros colegas vão comprar a ideia.
  • Morar mais perto e poder ir trabalhar a pé. Essa é uma alternativa desejada por muita gente, que prioriza certas regiões da cidade. Claro que a solução vai demandar maior planejamento para a mudança, sem contar que mexe com toda a rotina, mas quem optou por ela garante que vale a pena. Não é difícil encontrar, entre amigos e colegas, alguém que tenha essa experiência para contar.
  • E se não puder mesmo evitar o carro ou o transporte público, saiba que um outro estudo, divulgado pela Escola de Negócios de Harvard, teve uma conclusão inusitada. Mesmo nas situações estressantes do trânsito, se você conseguir ocupar sua mente planejando as tarefas do dia enquanto se dirige ao trabalho, pode evitar ou reduzir o estresse. Essa tarefa, decobriram os pesquisadores, traz maior satisfação e segurança. Claro que vai ser preciso se educar para adotar esse hábito, mas saiba que os efeitos são positivos mesmo que o planejamento seja feito para apenas uma tarefa.

Uma dessas alternativas, acredite, pode tornar os seus dias muito mais produtivos e livres de estresse. Boas escolhas!


Benefícios flexíveis: estratégia para manter a alta satisfação dos colaboradores

Existe uma solução para que os seus colaboradores tenham a melhor percepção sobre o próprio pacote de benefícios. E você precisa conhecer.

Desde que começaram a ser utilizados em empresas norte-americanas nos anos 1990, os programas de benefícios flexíveis tiveram conceitos distintos a depender das estratégias definidas em cada período. Hoje, o entendimento comum a todas as companhias que os aplicam é de que elevam a percepção dos colaboradores sobre os seus pacotes de benefícios. Pesquisas mostram que se trata de um dos diferenciais oferecidos mais bem avaliados pelos colaboradores, com índices de adesão e satisfação superiores a 90% Em palestra para líderes de RH realizada na sede da SAS, companhia líder de mercado em softwares e serviços de business analytics, em São Paulo, Ronn Gabay falou sobre a evolução do conceito de benefícios flexíveis no mundo e explicou quais as dificuldades da implantação no Brasil nos primeiros anos. Ronn é sócio-fundador da Bematize, que desenvolveu a primeira ferramenta no Brasil para integrar e automatizar a administração de todos os benefícios oferecidos pelas empresas. A primeira utilização dos benefícios flexíveis, nos Estados Unidos, teve objetivos financeiros. Lá, as empresas dividem os custos dos benefícios com os seus empregados de maneira mais agressiva, cabendo aos colaboradores percentuais em torno de 30% dos valores pagos por planos de saúde, por exemplo. “A proposta dos programas de benefícios flexíveis funcionou porque permitiu concentrar a participação dos colaboradores no pagamento de benefícios que poderiam significar retorno financeiro por serem dedutíveis do imposto de renda, enquanto as empresas ficavam responsáveis por custear os benefícios não-dedutíveis. Ou seja, era bom para os empregados em razão da vantagem fiscal, e para os empregadores não havia prejuízo”, explicou Gabay, que vivenciou a experiência norte-americana com os benefícios flexíveis quando trabalhou naquele país.

Na Europa, uma questão de diversidade

As empresas europeias também aplicaram os benefícios flexíveis com sucesso, mas lá o conceito adotado inicialmente era diferente do americano. O que se pretendia era atender aos perfis distintos de profissionais e de modelos de famílias, ou seja, os pacotes de benefícios precisavam ser flexíveis porque as pessoas tinham expectativas e necessidades diferentes.
“A aposta na diversidade foi acertada e fez o conceito dos benefícios evoluir. Mas a experiência da aplicação em todo o mundo mostrou que, a cada ano, a percepção dos colaboradores sobre a satisfação com seus seus pacotes vai diminuindo se não for possível renová-los. E é aí que a proposta dos benefícios flexíveis resolve a questão, já que dá ao funcionário liberdade de escolha a cada ano” defendeu Ronn Gabay.
Encantado com a solução dos benefícios flexíveis como estratégia para aumentar a satisfação dos colaboradores, Gabay vislumbrou sua aplicação nas empresas brasileiras, mas uma dificuldade inicial mostrou que este processo não seria tão fácil. É que a tecnologia que garantia a completa automatização do processo nos Estados Unidos ainda não era disponível no Brasil. Faltava o sistema que interligasse o programa de benefícios às informações da folha de pagamento e aos dados dos fornecedores dos benefícios, ou seja, às empresas de planos de saúde, cartões de alimentação, entre outras.
Para suprir esta carência, Ronn e um grupo de especialistas criaram uma plataforma para a gestão de todos os benefícios, em um portal exclusivo e customizado para as necessidades de cada empresa. Com 22 anos de experiência na área de benefícios, Ronn Gabay tem ajudado clientes na estratégia, definição e implementação de programas de benefícios tradicionais e flexíveis, que promoveram transformações culturais nos RHs. Participou da implantação dos principais programas de benefícios flexíveis do mercado brasileiro, na Capgemini, BRQ, Libbs Farmacêutica e Telefônica.


Benefícios flexíveis: um projeto com satisfação garantida

Modalidade de remuneração complementar, os benefícios flexíveis são bem avaliados por mais de 90% dos colaboradores das empresas que adotam o programa. E a explicação é simples: quem vai receber os benefícios tem autonomia para escolher o pacote mais adequado às suas necessidades e de sua família, com amplitude e alcance nas áreas de saúde, bem-estar e aposentadoria.

A demanda pela implantação dos benefícios flexíveis nas empresas é crescente e o primeiro passo é a dedicação à montagem do programa de forma que todo o conjunto de informações e operações seja administrado por uma plataforma que permita automatizar o processo. A equipe de RH, é claro, precisa conhecer a fundo todas as etapas mas, com o suporte da plataforma, a administração de benefícios tradicionais e flexíveis é facilitada e acontece de maneira eficiente e segura.

Na hora de implantar um programa de benefícios flexíveis na empresa, é fundamental contar com assessoria especializada, conhecer os resultados e estatísticas da pós-implantação, a importância de um programa desta natureza em um processo de transformação organizacional, além dos aspectos legais que merecem atenção. Confira aqui o que deve conter um serviço de gestão integrada de benefícios.

Veja também como um programa de benefícios pode reter talentos.


Novo blog traz as novidades do universo do RH com atualizações periódicas

Os profissionais de Recursos Humanos vivem hoje, sem dúvida, um dos momentos mais desafiadores na gestão das suas áreas, projetos e equipes dentro das companhias. As significativas transformações tecnológicas e do mercado de trabalho, as mudanças em curso na legislação trabalhista e a crise econômica são alguns dos fatores que explicam o contexto.

Com tantas demandas, a importância estratégica do RH é cada vez maior. Atrair e fidelizar profissionais com os perfis mais adequados requer conhecimento profundo sobre as necessidades da empresa e também sobre o comportamento e as expectativas das diferentes gerações de trabalhadores. Com esta missão, os gestores de RH precisam estar muito bem informados, e foi para atender esta necessidade que a Bematize Consultoria e Gestão de Benefícios criou o seu novo blog, mais um veículo de comunicação com os seus clientes, parceiros e interessados nos assuntos que impactam o universo da gestão dos Recursos Humanos.

O objetivo é manter os profissionais da área atualizados sobre as novidades em Benefícios Flexíveis, na tecnologia ligada ao RH, em legislação trabalhista, gestão e liderança; e sobre as tendências e o comportamento dos profissionais de diferentes segmentos do mercado. As principais notícias do RH brasileiro e internacional, além de conteúdos exclusivos, reportagens com especialistas e a opinião de profissionais da área é o que você vai conferir diariamente no Bematize News, o Blog da Bematize.

Boa leitura!