Seguradoras e planos de saúde respondem à pandemia do coronavírus

O esforço pelo controle da transmissão do novo coronavírus e para o suporte às pessoas na prevenção e no tratamento da doença fez com que seguradoras e planos de saúde reforçassem a comunicação com os seus clientes. Alguns deles tomaram iniciativas para ampliar os canais de atendimento médico aos pacientes.

Um exemplo é a Previsul que, com 1,1 milhão de segurados no país, foi a primeira a informar que vai pagar por eventuais sinistros decorrentes da COVID-19, uma medida inédita, já que, de acordo com as normas regulatórias da Susep (Superintendência de Seguros Privados), o risco de pandemia é um item excluído de cobertura nos contratos de seguros.

Portanto, a Previsul indenizará segurados que tiverem perdas ocasionadas pelo coronavírus, “incluindo morte por qualquer causa, internações e rendas por incapacidade que contenham cobertura de doença, respeitando as condições dos seguros, os prazos de carência e franquia”, afirmou o presidente da seguradora, Renato Pedroso, em comunicado.
A Unimed também vem emitindo informes com as recomendações do Ministério da Saúde, divulga cartilhas com dicas de saúde para os segurados, e mantém um comitê interno que monitora o cenário, com reuniões diárias para definir as medidas necessárias em cada fase.

 

 

Telemedicina

O Ministério da Saúde regulamentou e entidades médicas reconheceram a prática da telemedicina em meio à crise do coronavírus. O tema também é analisado no Congresso Nacional, no projeto de lei 696/20, aprovado na Câmara dos Deputados. O recurso permite que os pacientes recebam orientação médica sem precisar interromper o isolamento social, o que protege a saúde deles e a dos médicos. Assim, seguradoras e planos já começaram a oferecer o benefício.

Para evitar a ida de pessoas ao pronto-socorro em caso de suspeita da doença, a Unimed disponibilizou serviço de orientação médica 24 horas por meio do aplicativo da Seguros Unimed.

Quem tiver dúvidas acessa o aplicativo e recebe instruções de uma equipe de saúde especializada. Caso seja necessário, o paciente tem acesso à teleconsulta com um médico, em vídeo.

Com a recomendação do Ministério da Saúde de que sejam adiados exames, consultas, cirurgias e outros procedimentos eletivos, para evitar riscos e a superlotação nas unidades de saúde, a Unimed tem orientado os segurados a aguardar a realização desses procedimentos e definiu que as guias autorizadas a partir de 1º de março terão validade de 90 dias.

Sobre os exames para diagnóstico da COVID-19, a Unimed comunicou que segue a orientação do Ministério da Saúde, que prevê o teste apenas para pacientes hospitalizados, com potencial de agravamento da doença – sem recomendação, portanto, para pacientes sem sintomas ou atendidos em ambulatório.

Orientações sobre prevenção

A Amil enviou aos RHs, comunicados sobre principais dúvidas e um questionário que indica, aos colaboradores e dependentes, qual o caminho devem seguir em função dos seus sintomas. Outros canais de informação, o aplicativo, o site e o telefone fornecem orientações e triagem com direcionamento. Os beneficiários com sintomas da doença devem, antes de ir ao pronto-socorro, fazer contato com a Amil pela central de atendimento ou telemedicina.

 

Médico em casa

A Sulamérica lançou, dentro do seu aplicativo, um ícone específico para auxiliar os beneficiários com as iniciativas de combate ao coronavírus. Por vídeo e via aplicativo, os clientes da seguradora podem receber orientação médica sem limite de utilização.

Quem preferir, pode fazer contato pela central telefônica exclusiva de orientações sobre o coronavírus. Outro benefício oferecido pela Sulamérica é o médico em casa, recurso disponível em 50 cidades do país.

 

Apoio psicológico na guerra de nervos contra o vírus

Embora seja, até agora, a maneira mais eficiente de conter a proliferação do novo coronavírus, o isolamento social pode trazer sérias repercusões para a saúde mental.

Já que o contexto pode agravar problemas como ansiedade, depressão e síndrome do pânico, a necessidade de suporte psicológico tem ficado mais evidente.

A solução apresentada por seguradoras e planos de saúde para levar psicoterapia às pessoas também é digital.

No APP SulAmérica Saúde, por exemplo, os beneficiários podem acessar o serviço Psicólogo na Tela e ter sessões de psicoterapia por videoconferência, sem sair de casa. Para utilizar o recurso, é preciso ter mais de 18 anos e apresentar pedido médico. Todo o processo de agendamento das sessões pode ser feito no aplicativo, com a equipe de psicólogos on-line 24 horas por dia.

A Amil oferece benefício semelhante, por meio de um canal telefônico, o Amil Ligue Saúde. O usuário liga no 0800 073 2121, de segunda à sexta-feira, das 7h até as 22h, e será atendido por uma equipe de enfermeiros para uma triagem, e posterior encaminhamento ao psicólogo.

 

Canais de contato

Confira os canais disponibilizados por seguradoras e planos de saúde para atendimento aos beneficiários durante a pandemia:

Previsul – No site previsul.com.br, estão o canal do segurado e o acesso ao aplicativo da seguradora, com a opção de contato direto por meio de chat online.

Amil – Criou canal exclusivo para atender segurados, pelo https://liguesaudeonline.amil.com.br/Login

Unimed – Além do site https://www.segurosunimed.com.br/ , o beneficiário pode acessar o aplicativo da Seguros Unimed ou ligar para o telefone 0800-892-4888.

Omint – Disponibiliza uma página específica para tratar sobre o novo coronavírus no site
https://www.omint.com.br/coronavirus/. Na página, o usuário encontra uma série de vídeos com recomendações de médicos para o enfrentamento da doença.

Sulamérica – No aplicativo da Sulamérica, foi criada uma área exclusiva para atendimento sobre a COVID-19. Está disponível também a central de atendimento coronavírus, pelo telefone 0800 591 0845.

Bradesco Seguros – Criou um site dentro do portal para tratar exclusivamente do coronavírus, com informações sobre a doença, formas de prevenção, detalhes sobre como realizar o isolamento social; e também oferece orientação médica 24 horas pelo telefone 0800 941 6361. O site é
https://www.bradescoseguros.com.br/clientes/produtos/plano-saude/informacoes-coronavirus

Careplus – No site careplus.com.br, uma área exclusiva reúne informações sobre a doença e a prevenção.


Deloitte, everis, iFood e Vivo: desafios e resultados da implantação de benefícios flexíveis

O segundo painel do Simpósio Benefícios Flexíveis: Implantação de A a Z promoveu uma imersão nas experiências de quatro empresas que já implantaram benefícios flexíveis: Deloitte, everis, iFood e Vivo. Gestores de RH das empresas contaram as histórias da implantação, os desafios, aprendizados e resultados, em uma conversa mediada por Ronn Gabay, líder dos times de consultoria e negócios da Bematize.

Veja agora trechos dos seus depoimentos.

 A implantação dos benefícios flexíveis na Deloitte durou um ano, desde o estudo da viabilidade, conversas com operadoras de saúde etc. Tudo deu muito certo, especialmente porque fizemos uma comunicação envolvente, assertiva e clara junto com gestores e tomadores de decisão. O funcionário também deve saber que o benefício flexível é um dos pilares da remuneração total. É uma mudança de pensamento e de cultura”, Elisângela Santos, supervisora de Benefícios da Deloitte.

 Implantamos benefícios flexíveis há dois anos. Queríamos inovar, mantendo os custos. Para ter sucesso nesse projeto, o RH precisa entender qual o propósito, vender bem a ideia na companhia, pensar estrategicamente o que faz sentido para o público. Um dos desafios foi ajustar um programa que atendesse às necessidades de todos, já que na everis temos diferenças por categoria e regionalidade. Tivemos atenção especial na parte jurídica, e nunca tivemos problema nesse sentido. As pessoas estão acostumadas a fazer a escolha dos benefícios junto com o RH. Quando a colocamos em frente a um portal online para comprar os benefícios, é que ela percebe o impacto, que é a única responsável por tudo aquilo. A Comunicação deve destacar esse protagonismo”, Renata Trasmonte, gerente de Recursos Humanos da everis.

  No início de 2018, implantamos benefícios flexíveis com um desenho inovador e em apenas seis meses desde as primeiras conversas internas. Convencer a área de finanças de que o custo da flexibilização não seria maior foi o grande desafio. A maior lição de todo o processo foi a necessidade do foco total na comunicação. Óbvio que a empresa tem de determinar uma cesta de benefícios, mas o colaborador é protagonista. Entre os resultados, conseguimos atrair talentos, aumentamos a percepção e a satisfação sobre benefícios, que é de 85% segundo a última pesquisa”, Lucas Lorenzato, Head de People Development, Compensation & Benefits, Payroll do iFood.

 Em 2016, implantamos o programa de benefícios flexíveis na Telefônica em quatro meses. Trata-se de um desafio cultural, as pessoas têm opinião própria. Uma comunicação bem estruturada é fundamental para reduzir possíveis resistências. Temos públicos muito distintos na empresa com 34 mil colaboradores. São profissionais da administração, call center, loja e campo. É preciso ouvir as lideranças, suas opiniões e percepções de valor. Já na primeira pesquisa após a implantação, tivemos 87% de favorabilidade. Um dos desafios é a negociação com as operadoras de planos de saúde e seguro de vida. Mas a favor da Vivo temos o volume, são 80 mil vidas. Ainda assim, no começo percebemos restrições por parte das operadoras, pelo desconhecimento de como funciona a flexibilização. Mas hoje já se conhece a viabilidade e o mercado está mais flexível. É muito importante deixar as regras bem claras com as operadoras, além de acompanhar a sinistralidade e fazer os ajustes necessários em cada período”, Fábio Nadal, Consultor de Recursos Humanos na Vice-Presidência de Pessoas da Vivo.

 Acompanhamos as estatísticas dos nossos clientes que têm programas de benefícios flexíveis e os resultados são que, em média, 5% dos colaboradores fazem upgrade nos planos de saúde e 12% fazem downgrade. Isso representa 4,7% de redução na fatura de saúde, ou seja, recurso que deixou de ser gasto e deve ser entendido como uma reserva para compensar os riscos”, Ronn Gabay, líder dos times de consultoria e negócios da Bematize.


Abra os olhos para os cuidados com a visão

Com a presença cada vez maior dos tablets, smartphones e outros equipamentos eletrônicos na rotina das pessoas, nunca antes a visão foi tão exigida. Horas seguidas diante das telas podem prejudicar, e muito, a saúde dos olhos.

Reduzir o máximo possível a exposição a esses aparelhos é o mais recomendado, mas não só isso. Uma série de cuidados e hábitos podem ajudar a evitar doenças e melhorar a qualidade da visão.

O Conselho Brasileiro de Oftalmologia divulga que cerca de 50 milhões de brasileiros sofrem algum tipo de distúrbio na visão, na maioria dos casos, cegueira e deficiência visual, que poderiam ter sido evitados.
Além da moderação no uso dos eletrônicos, cuidados com a higiene e a alimentação estão na lista das melhores práticas. Veja quais são elas:

 1. Dedique tempo para lavar e evite coçar os olhos
O olhos e toda a região do entorno precisam ser higienizadas diariamente e com delicadeza. Remover as impurezas evita inflamações, previne alergias e conjuntivite. Dê atenção a esse momento, seja durante o banho ou ao lavar o rosto na pia. Coçar os olhos também pode trazer problemas. Isso porque as mãos sujas e a pressão sobre os olhos podem causar inflamação e lesões. Como se trata de um ato instintivo, é importante ter cuidado e procurar um oftalmologista caso a coceira persista. Já o hábito de piscar os olhos é positivo, uma vez que funciona lubrificando as córneas, evitando portanto o ressecamento e as irritações.
 
2. Limpar a maquiagem é a lei
 Deixar de retirar a maquiagem é um erro que pode provocar inflamação e alergias nos olhos. Remover produtos de beleza precisa ser um hábito regular, e dos mais importantes. Muito cuidado também com as condições das maquiagens, que devem ter qualidade e procedência comprovadas, de preferência sem conservantes e antialérgicas. O ideal é que o uso seja pessoal, ou seja, é melhor não usar produtos de outras pessoas. Higienizar esponjas, pinceis e escovas é o que evita contaminação por bactérias.

3. Lente de contato é coisa séria
As lentes de contato são um ótimo recurso, mas sem os cuidados de higiene podem causar problemas sérios aos olhos. Para a limpeza e o uso das lentes, deve-se seguir todas as recomendações do oftalmologista e as sugestões do fabricante, sobretudo obedecer o prazo de validade dos produtos e ser rigoroso na lavagem das mãos.

4. Cuidado com o açúcar
Uma dieta saudável repercute diretamente na saúde dos olhos, e é capaz de evitar catarata, cegueira noturna, síndrome do olho seco e degeneração macular, por exemplo. Portanto, só depende de cada um preferir alimentos ricos em nutrientes como ômega 3 e vitaminas A e C, manganês, luteína, cobre e zinco, entre outros. Na prática, tenha regularmente em seu cardápio frutas cítricas, pescados, milho, gema de ovo, espinafre e outros vegetais verde-escuros, frutas secas, cereais integrais, nozes etc.

Controlar a ingestão de açúcar é essencial porque o excesso de glicose no sangue também pode causar problemas à visão. O risco é maior para os portadores do diabetes, do tipo 1 ou 2, que podem desenvolver retinopatia diabética, doença que se manifesta pela visão embaçada e que pode gerar hemorragia interna e cegueira reversível.

5. Atividade física também faz bem para os olhos
Praticar exercícios regularmente favorece a saúde como um todo e também é benéfico aos olhos. Um motivo a mais para se exercitar com o esporte ou a atividade física de que mais goste.

6. Cigarro é um inimigo dos olhos
Alguns estudos mostram que o ato de fumar está associado a problemas como degeneração macular e catarata.

7. Consulta médica é indispensável
O ideal é visitar o oftalmologista uma vez ao ano ou quando perceber algum problema. Exames preventivos podem evitar a maioria das doenças oculares. Importante também não usar colírios ou outra medicação sem indicação médica e sempre proteger os olhos da luz solar usando óculos escuros.


5 razões para implementar benefícios flexíveis em uma empresa

5 razões para implementar benefícios flexíveis

Exemplos de companhias que já adotaram os benefícios flexíveis não faltam. Desde grandes redes até empresas menores se beneficiam dessa solução, mas você sabe quais são as razões para implementar benefícios flexíveis em uma empresa?

No Brasil, a Ericsson, por exemplo, implantou um clube para as famílias dos funcionários. O Grupo Boticário, que tem 70% de seu quadro de colaboradores composto por mulheres, oferece auxílio para babá, educação infantil e sala de apoio à amamentação.

São inúmeros os motivos para investir o quanto antes nos benefícios flexíveis, mas, a seguir, listamos o cinco principais:

 

  1. Alta satisfação dos funcionários

 

Essa ação estratégica dos RHs das empresas é responsável por grande parte da satisfação dos colaboradores. Em uma pesquisa conduzida por nós, da Bematize, com companhias de diversos setores, 85,71% delas afirmaram que atingiram a satisfação dos colaboradores com a flexibilização de benefícios.

Outro dado importante diz respeito à percepção dos benefícios pelo colaborador, resultado atingido por 71,43% das companhias, que também se fizeram perceber como inovadoras.

 

  1. Os custos para a empresa seguem iguais

 

Quando opta por implantar os benefícios flexíveis, uma empresa mantém seus custos fixos. E a boa notícia é que eles diminuem com os passar dos anos – exceto quando se decide aumentar o valor investido em benefícios.

Se bem administrados e geridos, os benefícios flexíveis só trazem ganhos a uma companhia. Eles vão desde uma percepção mais positiva dos profissionais até menor índice de turnover, o que gera economia e garante que talentos sejam retidos pela empresa.

 

  1. Pontuações derivadas de benefícios flexíveis elevam satisfação

 

Algumas empresas já adotaram os programas de pontuação dentro dos benefícios flexíveis do RH 4.0. Assim, cada benefício tem um valor em pontos e, quando acumula-se essa pontuação, o colaborador monta seu pacote.

A satisfação do profissional é elevada porque, alguém que tem um cônjuge que já receba auxílio-alimentação, por exemplo, pode direcionar esse recurso para outro benefício.

Segundo nosso estudo, publicado em 2018, para auxílios-alimentação e refeição, 69,23% das empresas permitem o intercâmbio de pontos entre todos os benefícios.

 

  1. O valor interno da empresa e a motivação dos funcionários só cresce

 

Uma companhia não é reconhecida apenas por seus resultados financeiros e abrangência de mercado. Grande parte do seu valor se deve à relação que possui com seus profissionais.

Os benefícios flexíveis são uma forma de mostrar cuidado e valorizar o funcionário e ajuda a criar um ambiente de motivação, colaboração e bons resultados. Assim, o valor interno do negócio fica muito maior e a retenção de talentos se acentua.

 

  1. A qualidade dos benefícios é um fator muito avaliado pelos candidatos

 

Se você deseja posicionar sua empresa como pioneira, inovadora e tecnológica, a adoção dos benefícios flexíveis é quase obrigatória. Isso porque candidatos avaliam a qualidade dessas vantagens oferecidas aos funcionários antes de se candidatarem a uma vaga de trabalho.

Como influenciam diretamente na satisfação geral de funcionários, especialmente os mais jovens, os benefícios flexíveis devem estar em sua lista de prioridades.

 

Precisa de ajuda para implementar benefícios flexíveis no seu negócio? Fale com a Bematize!

Somos especialistas nessa área e podemos cuidar de toda a estratégia, escolha, implantação e gestão dessas vantagens.


Como o RH se beneficia da implantação de benefícios flexíveis

Os planos de benefícios flexíveis estão se tornando, cada vez mais, uma realidade nas empresas. Isso porque, por meio desse sistema, os profissionais têm a chance de escolher os benefícios que melhor atendem às suas necessidades.

Como os colaboradores de uma empresa têm diferentes estilos de vida, preferências e necessidades, oferecer essa vantagem parece ótima ideia, não acha?

Muitas companhias ainda não se convenceram de que os benefícios flexíveis trazem inúmeras vantagens ao RH. Por isso, a seguir, listamos alguns dos motivos pelos quais a área de Recursos Humanos deve adotar – para ontem – essa flexibilização.

Quais são as vantagens trazidas ao RH pelos benefícios flexíveis

O sistema de benefícios flexíveis teve início na década de 70, nos Estados Unidos. Entretanto, ganhou força no Brasil apenas nos últimos anos.

O que acontece, normalmente, é que a empresa define o valor de cada benefício e estabelece uma verba para que cada profissional opte por gastá-la de acordo com as opções disponíveis.

Há inúmeros benefícios flexíveis disponíveis. Eles vão desde plano de saúde e odontológico até reembolso para cursos, planos de previdência privada, auxílio-creche e muito mais.

Existe, ainda, a possibilidade de atribuir pontos ou créditos a cada funcionário. Com isso, cada colaborador tem uma quantidade específica para investir no benefício que desejar.

Quando o RH abraça e investe no sistema de benefícios, toda a empresa se beneficia. Há mais motivação dos funcionários, bem como poder de atração e retenção de talentos.

Com maior entendimento e poder de escolha sobre sua remuneração o colaborador se sente mais valorizado. Isso impacta diretamente em sua produtividade e, consequentemente, nos resultados da empresa.

Como implantar um sistema de benefícios flexíveis com sucesso

Qualquer empresa pode adotar um sistema de benefícios flexíveis. Independentemente de seu tamanho, é possível investir nessa solução.

É preciso, no entanto, prestar atenção a alguns pontos fundamentais para que o RH obtenha vantagens da adoção de benefícios flexíveis.

Em alguns casos, optar por uma empresa focada nesse tipo de atividade, como a Bematize, é a melhor opção para garantir que sua implantação gere resultados positivos.

Algumas iniciativas são indispensáveis no momento de implantar benefícios flexíveis. São elas:

 

  • Saiba o que seus colaboradores querem;

 

  • Monte os pacotes de benefícios;

 

  • Defina como escolher e gerir os benefícios;

 

  • Apresente e oficialize o novo sistema;

 

  • Avalie o impacto financeiro de benefícios de natureza salarial;

 

  • Teste antes o novo sistema de gerenciamento de benefícios;

 

  • Verifique exigências de sindicatos para não infringir a lei.

 

Sabemos que não é fácil a tarefa de implementar benefícios flexíveis, mas, com a ajuda de especialistas o RH pode se beneficiar – e muito – dessa novidade.

Avalie as possibilidades mais recomendadas para o seu negócio e invista nessa flexibilidade. Certamente sua companhia será reconhecida por reter, atrair e motivar muito mais os talentos!