Como os profissionais da geração Z vão mudar o ambiente de trabalho

Especialistas em Recursos Humanos de todo o mundo voltam suas atenções para a geração Z, dos nascidos entre 1994 e 2010 e que começa a entrar no mercado de trabalho.

Algumas características destes recém-chegados profissionais já foram mapeadas. Sabe-se que eles valorizam um ambiente de colaboração, flexibilidade no local de trabalho, e feedback mais frequente. Além disso, querem poder contar com gestores dispostos a ouvir e valorizar suas opiniões e a orientá-los.

E está mesmo na hora de dar atenção aos mais jovens trabalhadores. É esperado que representem quase um quarto da força de trabalho nos Estados Unidos até 2020, de acordo com Departamento do Trabalho norte-americano.

A empresa de consultoria de RH Randstad fez uma pesquisa com o perfil deste público que nasceu e cresceu com a internet e usa a tecnologia de maneira ampla, para realizar diversas atividades e compartilhar experiências com variados grupos. Dados da pesquisa foram divulgados na conferência anual da SHRM. Um dos resultados que mais chamaram a atenção é a expectativa da geração Z com relação aos feedbacks:

  28% preferem ser avaliados pelos gestores depois de cada projeto ou tarefa.

26% querem retorno semanal.

20%, diário.

Apenas 1% está disposto a esperar a revisão anual de desempenho.

A sondagem comparou realidades de empresas de alto e de baixo desempenho:

Nas de alto desempenho, 29% dos funcionários das gerações Y e Z disseram receber feedback de seu chefe depois de cada projeto, em comparação com 11% das pessoas em empresas de baixo desempenho.

E 22% das pessoas em empresas de alto desempenho disseram receber feedback diário, em comparação com 16% naquelas com baixo desempenho.

Para receber os profissionais da geração Z, as equipes de RH devem coordenar atualizações importantes nas ferramentas com as quais este público costuma partilhar conhecimentos, a partir de sistemas de TI que suportem essas ferramentas. As empresas precisam estar online, definitivamente. Além das conexões de intranet, a presença digital é essencial nos canais e redes sociais da internet, os ambientes onde acontecem os relacionamentos, seja com clientes, parceiros ou candidatos a emprego.


O que mais distrai os funcionários? Saiba como evitar estes distúrbios

As discussões sobre possíveis soluções para maximizar a produtividade dos funcionários sempre estarão entre as prioridades das empresas.

Mais recentemente, equipes de RH de diversas companhias ao redor do mundo tentam confirmar se a oferta de formatos de trabalho mais flexíveis, como o home office, resultam em funcionários mais felizes e mais produtivos ou se o ideal mesmo é manter os grupos trabalhando juntos no escritório.

A empresa Clarendon London resolveu buscar respostas para esta questão tentando descobrir o que é capaz de distrair funcionários no ambiente de trabalho, tornando, portanto, esta modalidade menos produtiva. A pesquisa pediu a 2 mil funcionários do Reino Unido para nomear suas maiores distrações no local de trabalho e descobriu que não é a tecnologia o que mais tira a atenção dos profissionais, mas o contato com outras pessoas.

Pouco mais de 20% dos entrevistados indicaram que os colegas eram a maior fonte de distração, devido a aspectos como fofoca ou repetidas perguntas. A tecnologia veio em segundo lugar, com 19,2% das pessoas citando telefones celulares como uma distração, seguidos pelas redes sociais e os emails pessoais, citados por 11,1% e 10,6% dos entrevistados, respectivamente.

 

Para as empresas que mantêm funcionários nas suas estruturas físicas e pretendem reduzir os efeitos das maiores distrações, algumas dicas podem ser bastante eficientes:

1. Se possível, manter salas menores que sirvam para realizar reuniões e também para que os funcionários se isolem da agitação diária do escritório caso precisem de maior concentração.

2. Planejar a distribuição dos funcionários nas estações de trabalho também pode ajudar, reavaliando quem fica ao lado de quem. Colocar os perfis adequados de profissionais para trabalhar juntos pode resultar em um aumento de 15% no desempenho organizacional.

3. É importante considerar a opção de permitir que os funcionários se movam dentro do escritório, trocando de estação de trabalho a depender de suas necessidades.